quinta-feira, 20 de junho de 2013

Dor

Minha casa hoje está claustrofóbica. Tenho uma sensação dentro de mim que eu não saberia explicar nem em 100 anos. Dor misturada com nostalgia e desespero e tranquilidade. Eu simplesmente não quero acreditar nisso tudo. A impressão que eu tenho é a de que você vai aparecer correndo pela cozinha assim, do nada, e que eu vou poder fazer carinho em você mais uma vez. Que eu vou poder te pegar no colo, e abraçar seu corpinho quentinho, e achar engraçado quando você me arranhar ao tentar sair dele. As coisas vão ser bem difíceis a partir de agora. Você era um ponto de equilíbrio aqui em casa, você uniu todos nós. A alegria que você nos trouxe é algo que eu nunca vou conseguir explicar. Poder voltar da faculdade todas as noites, abrir a porta, olhar pra baixo e ver você na sua gaiolinha era uma das coisas que mais me fazia sentir bem. Fazer carinho em ti todas as manhãs. Cumprir o ritual de acordar, abrir sua gaiola, te esperar sair e te pegar no colo, te encher de beijinhos. Agora, isso tudo foi simplesmente arrancado de mim. Eu sei que você estava doentinha. Nós estávamos sendo preparados pra esse dia e nem percebemos. Graças a isso, conheci a veterinária que cuidou de ti, uma mulher sensacional que não mediu esforços para poder encontrar sua cura. Ela vai longe. E agora fico aqui, sozinha, como há 7 meses atrás. Sem aquela bolinha de pelos que me fazia feliz, que me odiava quando eu dava banho, e que me amava quando eu enchia de carinho. Me peguei lembrando da época que você chegou aqui em casa. Quando bastava eu sentar na escada daqui de casa com uma banana ou maçã, pra você vir correndo e pular na minha perna querendo comer as frutas. E eu assistia aquilo tudo maravilhada. Você era tão saudável, tão ativa! Corria tanto pela casa, cansava a gente homericamente de tanto que corria quando nós tentávamos te pegar. E agora, vai ficar a lembrança na mente. De como você adorava dormir atrás da máquina de lavar, de quando você entrava no meu quarto e acabava com a parede. Quando você ficava embaixo da mesa da sala, e avançava na gente quando tentávamos te tirar de lá. Quando você entrou embaixo do fogão, e ficava se escondendo atrás do freezer. Das vezes em que você tentou pular a janela, quando você ficava deitada quietinha me vendo jogar Zelda. Quando eu estava no meu quarto, e você vinha correndo e pulava na minha cama. Dos momentos que eu passava fazendo carinho em ti. De quando você me arranhava quando eu te dava banho, da primeira vez que você correu pelo quintal. Quando você roubou meu pedaço de cocada. Todas as mordidinhas que você me dava quando sentávamos juntas no sofá. A primeira vez que você dormiu no meu colo. O jeito que você ficava em pé quando queria comer biscoito. A forma carinhosa e especial que você traava meu pai. Todas as pessoas que te conheceram e ficaram encantadas. Você trouxe muitas felicidades. E me sinto mal pelos fins de semana que quase não parei em casa, os dias que não te dei muita atenção. Se eu soubesse que você iria embora assim, tão rápido, eu teria feito diferente. Teria deixado o notebook de lado e teria ficado do seu lado por mais tempo, teria te curtido mais. Mas tenho certeza que você leva lembranças boas de sua mãe contigo. Não teve um dia que eu não tenha te pego no colo, te dado um beijo e tenha dito no seu ouvido o quanto eu te amava. E o quanto eu vou te amar pra sempre. Hoje minha casa está triste, vazia. Porque pra cada lado que eu olhe, em cada cômodo que eu entre, você está lá. E vai estar sempre, no sofá da sala, no chão do meu quarto, dentro de mim.
Espero que a passagem tenha sido tranquila. Sei que você sentiu dor nesses últimos dias, mas saiba que nós fizemos de tudo pra amenizar sua dor. Bebê, nós tentamos de tudo. Mas não deu. Espero que você esteja em um lugar mais tranquilo, sem dor, e feliz, brincando com Waimea. E pode ter certeza que, quando nos encontrarmos de novo, ficaremos juntas pra sempre.
E pra todos vocês que tem bichinhos de estimação, fiquem mais tempo ao lado deles. Curtam seus bichinhos, não tenham medo de demonstrar o quanto vocês o amam. Façam tudo por eles. Porque hoje pode ser seu último dia, a gente nunca sabe...


Waikiki, você foi única. Eu nunca vou te esquecer. Esse vazio vai ser preenchido pelas lembranças felizes que terei de ti. Você será eterna.
✩ 05/11/12

† 20/06/13

Nenhum comentário:

Postar um comentário